Em ato, Sintese vê como ‘massacre’ desconto de 14% dos aposentados

Integrantes do Sindicato dos Professores de Sergipe (Sintese) se reuniram na manhã desta quinta-feira, 10, em frente ao Palácio dos Despachos, sede do governo estadual, para mais uma agenda de protesto. Segundo a entidade, o desconto previdenciário de 14% sob os rendimentos dos aposentados é um “massacre”, sobretudo nesse tempo de pandemia. Ainda segundo o Sintese, a reforma estadual da previdência só trouxe ônus para os aposentados.

“Com esse ato, queremos chamar atenção para o cenário que o aposentado está vivendo hoje em Sergipe, com esse desconto de 14% e enfrentando uma inflação galopante, além do congelamento de oito anos do salário imposto pelo Governo de Sergipe”, resume o vice-presidente do Sintese, Roberto Silva.

Ainda de acordo com o sindicalista, além dessa denúncia sobre o desconto previdenciário, o Sintese também deseja marcar uma audiência com o governador Belivaldo Chagas (PSD) para expor as razões contrárias a esse abatimento na folha salarial. “Queremos também buscar um diálogo para exigir a revogação imediata do desconto de 14% imposto pela lei que instituiu a reforma da previdência em Sergipe”, salienta Silva.

Roberto destaca ainda que a entidade de classe realizou um estudo demonstrando que não há mais déficit no SergipePrevidência. “Ora, se não há déficit, não tem como continuar esse desconto, uma vez que a lei diz que o desconto está revogado. O governo não pode continuar descontando do aposentando quando a própria lei está dizendo que ele está impedido de assim fazer”, avalia.

Governo de Sergipe

Em nota, a Superintendência de Comunicação informou que a “adequação da reforma da previdência ocorreu em 2019 baseada na Lei Federal da Reforma da Previdência e, portanto, não tem nenhuma relação com à pandemia”.

O Governo diz ainda que está fazendo um dos maiores investimentos na história recente da Educação. “Somente em reforma de escolas são mais de 80 milhões, além de investimentos em tecnologia e adaptações na unidades de ensino para oferecer mais conforto a segurança e segurança para estudantes e trabalhadores da educação. A Secretaria de Educação também distribui material escolar e kit de merenda para os estudantes. Nos próximos dias, cada professor receberá individualmente o valor de R$ 5 mil reais para adquirir tabletes, computadores, telefones ou similares, para auxiliá-los nas aulas e facilitar o aprendizado do aluno”, argumenta a Superintendência.

por João Paulo Schneider

 

 

Home

Deixe uma resposta